segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

A TRADIÇÃO HIPÓCRITA DE NOSSOS LÍDERES EVANGÉLICOS

“Porque o Senhor disse: pois que este povo se aproxima de mim e, com a boca e com os lábios, me honra, mas o seu coração se afasta para longe de mim, e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, em que foi instruído” (Isaías 29.13)

Herdada dos Fariseus do tempo de Jesus, assim é o perfil do nosso "Homem de Deus"; diante dEle ora, canta e louva, mas seu coração não esta em Deus, nem obedece à sua Palavra. Age como se a revelação de Deus e seus padrões de santidade não fossem obrigatórios. Ao invés de se deleitar em Deus e na sua palavra, leva o seu tempo em formalidades e tradições religiosas ensinadas por seus mestres. Vive egoisticamente e numa falsa segurança.

“Porque assim diz o Senhor aos homens de Judá e a Jerusalém: lavrai para vós o campo de lavoura e não semeei entre os espinhos. Circuncidai-vos para o Senhor e tirai os prepúcios do vosso coração, ó homens de Judá e habitante de Jerusalém, para que a minha indignação não venha a sair como fogo e arda de modo que não haja quem a apague, por causa da malícia das vossas obras.” (Jr 4.3,4).

O povo exalta e louva a Deus com os lábios, mas não lhe tem o mínimo de amor, nem aos seus santos ensinos. Terminado o culto, voltam aos prazeres do pecado e do mundo, para a santificação da carne. E pior ainda: já temos visto igrejas que estão trazendo esses prazeres, até mesmo, para o horário do culto.

“E Ele, respondendo, disse-lhes: Bem profetizou Isaías acerca de vós, hipócritas, como está escrito: Este povo hora-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. Em vão, porém me honram, ensinando doutrinas que são mandamentos de homens. Porque, deixando o mandamento de Deus, retendes a tradição dos homens, como o lavar dos jarros e dos copos, e fazei muitas outras coisas semelhantes a estas. (Mc 7. 6-8).

Nossos pastores fariseus e os grupos em torno deles, que lhe dão sustentação, cometem o pecado do legalismo. O legalista substitui com palavras e práticas externas as atitudes internas requeridas por Deus, oriundas do novo nascimento, operado por Deus e pelo Espírito.

Legalismo não é simplesmente a existência de leis, regulamentos, ou regra na comunidade cristã. Pelo contrário, legalismo tem a ver com os motivos pelos quais os cristãos considera a vontade de Deus à luz da sua Palavra. Qualquer motivo para se cumprir mandamentos e regras que não parta de uma fé viva em Cristo, do poder regenerador do Espírito Santo e do desejo sincero do crente de obedecer e agradar a Deus, é legalismo.

O cristão, neste tempo da Graça, continua sujeito à instrução, à disciplina e ao dever da obediência à lei de Cristo e a sua Palavra.

O resultado disso é a cegueira e o engano espiritual que estamos vivenciando em nossas igrejas.

“eis que continuarei a fazer uma obra maravilhosa no meio deste povo; uma obra maravilhosa e um assombro, porque a sabedoria dos seus sábios perecerá, e o entendimento dos seus prudentes se esconderá.” (Isaías 29.14)

As igrejas não resistiram à tendência de exaltar as tradições religiosas, sabedoria humana ou costumes contemporâneos que se sobrepuseram à Bíblia.
As Escrituras Sagradas são a única regra infalível de fé e conduta. Por não obedecerem, o resultado é que ela está sendo anulada por idéias humanas.

É claro que existe um remanescente fiel!

(Adaptação a partir da Doutrina Pentecostal retirada da Bíblia Pentecostal de Estudo)

6 comentários:

Casal 20 disse...

Labareda, como vai, meu querido amigo?

Quando está escrito:

"As igrejas não resistiram à tendência de exaltar as tradições religiosas, sabedoria humana ou costumes contemporâneos que se sobrepuseram à Bíblia".

Isso me lembra que nós, que tanto acusamos os católicos de se dobrarem à Tradição, também temos a nossa.

Ora, quantas vezes não colocamos a autoridade bíblica de lado por causa de falsos líderes, falsos ensinos ou, simplesmente, porque as "coisas sempre foram assim".

A Tradição também é idolatrada no arraial evangélico. Toda Tradição só deve permanecer de pé se passar seriamente sobre o crivo das Sagradas Escrituras. Só a doutrina de Deus deve permanecer de pé na Igreja. Doutrina de homens e do diabo têm que ser cortadas pela raiz antes que causem danos irreversíveis à Igreja de Jesus.

Parabéns pelo post.

Abraços sempre afetuosos.

disse...

Feliz Natal maninho!

"LABAREDAS DE FOGO" disse...

Casal 20, é muito bom ter novos amigos da família de Jesus!

Estou muito bem, afastado do blog por, além de estar pintando parte de nossa casa, estou relendo A Cruz e o Punhal. A primeira vez que eu li esse livro já fazem uns 17 anos, foi logo depois da minha conversão, hoje maravilhado, percebo que as coisas que mais fundamentaram a minha caminhada veio dessa primeira leitura. Se vocês não o leram, leiam, comecem hoje!

Nós, além de termos nossa próprias criações em termos de tradições, ainda somos envolvidos pela onda sincretista que o ecumenismo trás. Individualmente a coisa não é exagerada; mas coletivamente é mesmo de arrepiar. As instituições atropelam o individualismo.

Um exemplo bem claro desse comportamento adotado pela maioria das igrejas é que o novo nascimento não é mais uma condição para ser membro delas; faz-se um cursinho e pronto já esta aprovado como “filho de Deus” com todos os direitos de um cidadão do reino de Deus na terra e uns poucos deveres. Deveres que podem até serem desobedecidos sem perder as bençãos; menos um: os Dízimos!

É claro que, como bem vocês colocam, há tradições, que encontram fundamento nas Sagradas Escrituras. essas devem ser praticadas e ensinadas.

Mesmo que um pouco atrasado, feliz natal de Jesus!

"LABAREDAS DE FOGO" disse...

Rô Rô Rô Feliz Natal de Jesus maninha!

Casal 20 disse...

Labareda, eu já estava achando que tinha acontecido algum sumiço seu.

Mas, novo ano, pintura nova, não é?

Feliz ano novo, querido!

Sigamos juntos para a glória de Deus.

PS - Eu vi o filme, o livro nunca li.

"LABAREDAS DE FOGO" disse...

Casal... mil!

Feliz ano novo!

Vigiando e orando.