quinta-feira, 20 de setembro de 2012

De volta ao lar, de volta à realidade

Por Edson Camargo - É sempre interessante ter contato com as lições de quem dedicou muito tempo estudando uma determinada teoria e se tornou capaz de explicá-la e analisá-la em seus detalhes. Coisa distinta, porém, é conhecer o testemunho de  alguém que manteve um contato não apenas “técnico” e distante com esta teoria, conjunto de convicções ou ideologia, mas que fez ou faz destes enunciados o norte para sua vida, neles busca respostas às questões existenciais mais profundas, e com eles determina seu padrão de conduta, suas respostas a situações diversas e seus objetivos maiores. Diz mais sobre um conjunto de convicções quem as vive com intensidade, quem mergulha sua alma naquilo que professa.
Por isso os relatos de pessoas que passaram por reviravoltas na dimensão intelectual e espiritual de suas biografias  é algo enriquecedor, sendo inúmeros os exemplos na história da ideias, da filosofia e da teologia. As melhores mentes sempre estiveram em busca de respostas. Para elas, ampliar a visão e a consciência sempre foi um dever moral. O relativismo só satisfaz aos frívolos. Grandes mentes sempre almejam respostas  no mínimo satisfatórias para suas indagações.

Em tempos de agitação revolucionária como os nossos, no qual os males da revolução cultural arquitetada pela Nova Esquerda, como todo o seu ódio aos valores cristãos, já se fazem sentir em todo o Ocidente, um testemunho como o de Mary Pride, autora do livro ‘De Volta ao Lar – Do Feminismo à Realidade’, da editora Edições Cristãs ganha importância e merece ser conhecido. Mary Pride, ex-feminista radical, descreve na obra todos os ardis do feminismo, do aborto ao lesbianismo, dos sofismas do planejamento familiar ao neopaganismo inerente ao movimento. Denuncia setores da igreja que negaram doutrinas bíblicas sobre a família e trata de toda a tragédia social e cultural que a nova e falaciosa visão sobre a mulher trouxe: os milhares de divórcios, a matança de milhares de bebês ainda no ventre das mães, as intervenções abusivas do Estado sobre a família e os relacionamentos, a manipulação descarada na educação das crianças, sempre ameaçando a autoridade dos pais, e a forma sutil como as teses do movimento influenciaram os cristãos, que, de forma passiva e progressiva, passaram a sofrer exatamente com as mesmas consequências.
Mas o mérito de Mary Pride vai além. Ela não apenas abandonou uma tese falsa que promove a barbárie para fins revolucionários, nem se permitiu apenas a alertar pessoas cristãs do problema com base em seu testemunho pessoal. Ela propõe uma volta radical para o padrão bíblico que certamente pode ser tido como radical num contexto em que impera o cristianismo “self-service” e aquela  fé “light” estúpida que morre de medo de se passar por “fundamentalista”.  A Sra. Pride não se furta de afirmar com todas as letras que milhares de mulheres cristãs, ao começarem a relativizar as doutrinas bíblicas sobre a família, dão seu primeiro passo rumo à apostasia e às suas respectivas tragédias existenciais. Contra isso, faz de cada capítulo de sua obra uma explanação da instrução bíblica do apóstolo Paulo a Tito, líder da igreja primitiva em Creta:
Semelhantemente, ensine as mulheres mais velhas a serem reverentes na sua maneira de viver, a não serem caluniadoras nem escravizadas a muito vinho, mas a serem capazes de ensinar o que é bom. Assim, poderão orientar as mulheres mais jovens a amarem seus maridos e seus filhos, a serem prudentes e puras, a estarem ocupadas em casa [literalmente, trabalhadoras no lar], e a serem bondosas e sujeitas a seus maridos, a fim de que a palavra de Deus não seja difamada.
(Tito 2.3-5)

Mary Pride acredita piamente no valor dessa diretriz, e o livro tem trechos brilhantes ao mostrar os inúmeros benefícios de um trabalho ativo no lar, contra a alternativa do emprego fora de casa, tão valorizado entra as filhas da revolução cultural, cada vez mais carentes, politicamente corretas e desprovidas de outros talentos.
Sobre isso, vale citar um trecho da obra:
Creio que a esposa que trabalha no lar é a mulher da Nova Renascença. O homem da Renascença, se você se recorda, tinha interesse em tudo. Leonardo da Vinci, por exemplo, foi um grande pintor, um matemático esplêndido, um anatomista e um filósofo. O mundo dos negócios de hoje diminui nossas oportunidades de realização, de modo que só podemos nos dedicar a uma estreita especialização. A especializaçãoo não é má; é parte da divisão de trabalho que Deus instituiu no jardim do Éden. Mas precisa de um contrapeso, que o lar fornece. No lar a mulher tem oportunidades de tentar fazer tudo o que lhe interesse: preparar produtos de laboratório, escrever um livro, etc. Devo dizer pessoalmente que meus interesses e talentos aumentaram dez vezes mais desde que deixei meu emprego de engenheira e comecei a trabalhar no lar, e parece que vão continuar a se expandir no futuro. Na força de trabalho lá fora, eu nunca teria oportunidades de adotar interesses tão diferentes como educação, arquitetura, economia, caligrafia, poesia, composição literária, design de roupas, teoria e prática da horticultura, ensino de piano, etc., tudo ao mesmo tempo. Mas no lar estou me ampliando quase sem limite. Cada novo interesse leva a outro, e pela primeira vez em minha vida tenho mais projetos interessantes e úteis do que posso fazer.
Dentre seus interesses, a engenheira e teóloga citou a educação, sem deixar de tratar, em nenhum momento, como artes específicas cada uma das típicas tarefas domésticas que causam asco à nossa geração de almofadinhas egoístas. Mary Pride é uma adepta e entusiasta da escolarização em casa.  Seu site  sobre o tema ( http://www.home-school.com) traz muito material e recursos a respeito. A Constituição de 88 roubou esse direito milenar e de várias culturas da população brasileira, que ficou de vez refém da incompetência autoritária do MEC, e os resultados estão aí. Universidades com quase 40% de analfabetos funcionais, a glamurização da estupidez na mídia de massa e no debate político, cenas semanais de selvageria entre adolescentes em escolas públicas e privadas em todo o Brasil, farsantes como Paulo Freire elevados à condição de mestres da educação. Sem falar no kit-gay liberado e no Monteiro Lobato criminalizado. Como brasileiros, pouco podemos falar contra o método de escolarização defendido pela autora, exatamente o mesmo pelo qual foram educadas pessoas como Claude Monet, Wolfgang Amadeus Mozart, Abraham Lincoln , Alexander Graham Bell, Jonathan Edwards, Winston Churchill, C.S. Lewis, Léon Tolstoy e tantos outros ainda hoje, como a pequena pintora cristã Akiane Kramarik.
‘De Volta ao Lar’ evidencia o quanto nossa sociedade, e não só os cristãos, tem perdido por trocar os princípios que forjaram a civilização cristã, ainda que nem sempre de forma integral, pelo arremedo de cosmovisão baseado nas teses da modernidade: agnosticismo, materialismo, sensualismo, subjetivismo, o endeusamento da “razão” iluminista –  que não passa de um racionalismo amputado – , as ideologias coletivistas assassinas como o socialismo, e suas sub-ideologias auxiliares, como o feminismo, o gayzismo, o ecofascismo, entre outras. Meu sincero desejo é que obras como a da presbiteriana Mary Pride, que infelizmente foi rejeitada por tantas das grandes editoras evangélicas no país – dominadas por progressistas, vale sempre ressaltar -, tenham cada vez mais visibilidade.
(Imagem: Mary Beale, auto-retrado, 1632–1699)

Fonte Gospel+

2 comentários:

"LABAREDAS DE FOGO" disse...

Apesar de ser um livro escrito por uma mulher, que fala de um movimento exclusivamente feminino, De Volta ao Lar tem que ser lido por todos, mulheres e homens, inclusive os gays (nesse aspecto eu sou inclusivista). Suas implicações maléficas, como podemos ver nesta sinopse, atingem à toda a sociedade e principalmente as crianças, porque assim, as novas gerações crescendo no engano, serão mais facilmente destruídas.

O grande diferencial que devemos valorizar nesse livro (para quem tiver o interesse e a paciênca para ler) é que depois de todas as denúncias, a autora traça, sempre sob uma ótica bíblica, um caminho de retorno ao verdadeiro papel bíblico para a mulher.

O Problema em relação a ir "trabalhar fora", muito bem apontado no livro, é que a maioria das mulheres não estão fazendo isso para ajudarem seus marido; existem outras ambições muito erradas, algumas mulheres não as admitem, mas outras fazem dessas ambições a sua "bandeira". Um exemplo bem simples, alguns irão dizer: "bem tôsco", mas que retrata muito bem o que eu quero dizer e que podemos ver mulheres que preferem trabalhar em certos estabelecimentos comercias que vendem produtos comestíveis, do que os produzirem em suas casas em escala muito maior, para serem fornecedoras desses estabelecimentos e, claro, ganharem muito mais dinheiro.

Sei que esse meu exemplo não pode ser aplicado ao mundo das Profissionais Liberais e até de muitas outras profissões exercida por mulheres. Se bem que temos vários exemplos nesses meios de mulheres que se tornaram muito "bem sucedidas" em seus "empreendimentos" seguindo a idéia do meu exemplo. Mas esse meu simples exemplo pode ser aplicado a enorme maioria das mulheres, e numa classe social onde a sua falta no lar é mais sentida, que assim poderiam agir.

Josiel Dias disse...

Ola queridos irmãos Graça e Paz.

Parabéns por este blog tão legal, Deus continue te usando
para evagelização. Já estou lhe seguindo aproveito a oportunidade
para também compartilhar o nosso blog. Ficarei feliz por vossa visita
e mais ainda se nos seguir-nos.

Josiel Dias
Mensagem Edificante para Alma
http://josiel-dias.blogspot.com.br
Rio de Janeiro